“Pandemia deixa jogadores mais ansiosos”, diz psicólogo esportivo

0 429

A pandemia do novo coronavírus fez a sociedade mudar em várias áreas. No futebol não é diferente: jogadores, dirigentes e torcedores procuram formas de lidar com a nova realidade.

No relatório divulgado pela Federação Internacional de Jogadores de Futebol (FIFPro), indica que os atletas profissionais estão enfrentando uma ansiedade crescente.

“De repente, no futebol, jovens atletas de ambos os sexos enfrentam isolamento social, suspensão da vida profissional e dúvidas sobre o futuro. Alguns podem não estar bem equipados para enfrentar essas mudanças, e os incentivamos a procurar ajuda de uma pessoa em quem confiam ou de um profissional de saúde mental”, afirma o médico chefe da FIFPro, Vincent Gouttebarge.

Opinião semelhante tem o psicólogo da equipe de futebol profissional do Botafogo, Paulo Ribeiro, que, em entrevista à Agência Brasil, afirma que “no imaginário de muitas pessoas os atletas são mitos, e nada acontece a eles (…). Essa não é uma realidade. O atleta é um ser humano como outro qualquer” e também sofre com o atual momento.

“Ao falarmos em transtorno emocional, precisamos ter em mente que pode existir um histórico no atleta. As causas dos transtornos emocionais são múltiplas. Então precisamos pensar em genética, em história pessoal e em ambiente. A pessoa já precisa ter uma disposição prévia para ter um transtorno. Mas o atleta também pode desenvolver o transtorno a partir de eventos traumáticos, que se sucedem na vida dele, o que não é o caso no atual momento de pandemia para uma pessoa que não tem predisposição. O que pode acontecer é um nível de ansiedade um pouco maior, um nível de ociosidade um pouco maior, uma dificuldade de se adaptar a determinadas situações às quais não estava habituado. Pode ter um nível de ansiedade, um certo nível de humor deprimido, que não chega a ser uma depressão, mas tudo vai depender de como ele lida com a adaptação a esse novo cenário”, declarou o profissional.

O psicólogo também conta como amenizar possíveis transtornos.

“Uma rotina minimamente desenvolvida de exercícios é fundamental para conseguir se sentir vivo, pois o atleta vive de seu corpo e de sua mente. O que o corpo produz é o material de trabalho do atleta. Essa rotina é muito importante. E pensando em rotina, e considerando um possível aumento do nível de ansiedade, é importante considerar uma questão. Quando se fala em rotina, nem sempre se considera que ficar um dia sem fazer nada é importante, que o ócio é importante, que vivenciar coisas diferentes [como brincar com os filhos, ensinar o filho o dever da escola, fazer atividades que em tempos sem pandemia não teria a oportunidade de fazer] é importante também. São novidades positivas que podem ser incluídas na rotina. Não é apenas de atividade física que o atleta viverá no momento que passamos”, contou.



Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Loading...